terça-feira, 24 de maio de 2011

Porque os quenianos são os líderes nas ruas?

Passando pelo site da Sport Life me deparei com uma excelente matéria sobre os corredores africanos, mais precisamente sobre os quenianos.

Li o texto e resolvi colocá-lo aqui no blog para que os amigos corredores possam entender o porquê de os africanos darem-se tão bem quando o assunto é corrida.


Quenianos: campeões das ruas

Nas últimas décadas eles dominaram o cenário de corrida. Até hoje, apenas atletas africanos foram capazes de correr uma maratona em menos de 2h06min, e os grandes destaques da lista de recordes são os quenianos e etíopes.
Mas nem sempre foi assim. De certa forma, eles demoraram para descobrir o seu potencial. Um estudo comparativo mundial mostrou que em 1986 os quenianos representavam apenas 13% dos vencedores das corridas, contra quase 50% de europeus. Em 2003, os europeus caíram para 11%, enquanto os quenianos, em uma incrível virada de jogo, abocanharam 55% do montante global.
No Brasil, nenhum queniano havia ganho a São Silvestre antes de 1992, por exemplo, mas nos últimos 20 anos contabilizam-se 12 vencedores daquele país contra apenas cinco brasileiros e, na Volta da Pampulha, o placar já está em 6 a 4 para os africanos nas últimas dez edições.
Tendo isso em vista, e a fim de dar mais chance aos brasileiros, desde o ano passado há limite de estrangeiros na categoria elite das corridas, variando de um a três atletas por país (dependendo da classificação da prova), segundo Martinho Santos, superintendente técnico da Confederação Brasileira de Atletismo.
Mas afinal, por que eles são tão bons?

DNA DE CORREDOR

Leves, magros, donos de longas e incansáveis pernas, eles parecem ter sido feitos para correr. Os melhores atletas de médias e longas distâncias vêm de oito tribos Kalenjin e, dentre eles, destacam-se os Nandi, cerca de 2% da população do Quênia. Estudo publicado na Jornal Escandinavo de Medicina e Ciências do Esporte mostrou que os corredores quenianos têm VO2 máx., índice que marca o aproveitamento do oxigênio, muito altos e uma economia de corrida impressionante. Também acumulam menos ácido láctico e amônia (subprodutos associados à fadiga) no sangue durante a prova, quando comparados aos corredores escandinavos, mesmo em intensidades de exercício muito altas.
Elevado VO2 máx., utilização fracio­nada durante a execução e economia de corrida são fatores cruciais para o sucesso do corredor. Mas ao que tudo indica, a chave da superioridade do Quênia em médias e longas distâncias é uma combinação única desses fa­tores, como aponta um estudo do Cen­tro de Pesquisas do Músculo de Co­­penhague. A prova de que a combinação certa é que faz a diferença foi uma pesquisa com um grupo de atletas africanos com VO2 máx. significativamente menor (61ml/min/kg) do que um grupo de eu­ropeus (70 ml/min/kg). Ainda assim, eles foram capazes de atingir o mesmo desempenho em 10k que o ou­tro grupo, devido à economia de cor­rida e à capacidade de sustentar por mais tempo uma maior porcentagem do VO2 máx. Outro fator estudado foi a composição muscular desses atletas. Um estudo que saiu no Journal of Applied Physiology em 2007 com 13 Xhosas e 13 europeus mostrou que os corredores de 10k africanos, mesmo sendo fundistas, tinham mais fibras do tipo IIA (relacionadas à força e à ve­locidade) e menos fibras do tipo I, as­sociadas à resistência, do que os brancos.

NAS MONTANHAS

Muitos estudos mostram que a herança genética, sozinha, não faz um campeão. A maior parte leva também em consideração o meio. E, nesse item, destaca-se o fator altitude, pois a maioria daqueles corredores nasce e treina acima de 2 000 m, na região de Rift Valley. “Com isso, o corpo acostuma-se a trabalhar com menos oxigênio e promove adaptações gerais que melhoram a economia de corrida, como o aumento de hemácias no sangue, por exemplo. São as hemácias, as células vermelhas do sangue, as responsáveis por transportar o oxigênio pelo corpo. Os brasileiros, por exemplo, utilizam o treinamento em altitude para melhorar o sistema aeróbio, passando temporadas na Colômbia (Paipa está a 2 700 m de altitude)”, explica Evandro Lázari, treinador de atletismo da equipe BM&F Bovespa e mestrando em Biodinâmica do Movimento Humano pela Unicamp.
Além disso, os quenianos correm em trilhas de terra batida e montanhas, o que requer mais força com me­nor risco de lesões. Em geral, eles também são muito ativos desde a infância. Como moram em regiões rurais, precisam caminhar e correr longas distâncias. Estudo mostrou que as crianças quenianas que moravam longe da escola e iam a pé tinham um VO2 máx. 30% maior em relação às que não faziam esse esforço.
Outro fator estudado é a dieta. Os quenianos preferem alimentos simples e nutritivos, ricos em carboidratos e com pouquíssima gordura, com destaque para o ugali, uma espécie de polenta feita de milho, que comem muitas vezes ao dia. No prato, legumes, verduras, pouca carne e muito chá. Pequenas porções de frango ou carne assada e muito leite fornecem as proteínas necessárias.

MORRO ACIMA

Sabe os treinos mais difíceis da sua planilha, quando você respira fundo e sabe que o dia será complicado? Pois é, são os preferidos dos quenianos. Basicamente eles treinam muito duro e quase sempre em subidas e em trilhas, o que aumenta o ganho de força e a qualidade do treino.
Moacir Marconi, conhecido como Co­quinho, treina quenianos há mais de 15 anos no Paraná. Para ele, o gran­de diferencial, além da genética, é um bom treinamento. “Muito fartlek, e duas vezes na semana, um longo com variação de terreno. Também fazemos muitas subidas para aprender a não se intimidar e deixar o ritmo cair. Em geral, eles treinam até menos que os brasileiros, sabem a importância do descanso, da recuperação”, conta o ex-atleta.
De fato, Catherine Ndereba, bicampeã mundial e tetracampeã da Maratona de Boston, certa vez afirmou que costuma correr entre 120k e 145k por semana, bem menos que os 180k costumeiramente feitos pelos outros atletas. Mas, apesar de a quilometragem ser menor, o trabalho é intenso. Chegam a correr três vezes ao dia, com muitos treinos em ritmo de prova (os chamados tempo-run), e de limiar, cruciais para condicionar o corpo a manter a alta velocidade por maiores distâncias.
Em geral, a semana é preenchida com duas sessões de repetições curtas em subidas, uma de intervalados, uma de fartlek ou tempo-run e dois longões.

PARA GANHAR

Nascidos em um país pobre e devastado, a corrida é a única chance de sairem da miséria e ajudarem seus familiares. Para isso, eles deixam tudo e seguem mundo afora em busca de oportunidades de prêmio. Não importa se a corrida é fácil, difícil, com muito frio ou só com subidas. Extremamente focados, chegam, correm e partem.
O ex-maratonista olímpico Luiz Antônio dos Santos trabalha há três anos com quenianos em Taubaté (SP) e é um dos que acredita mais no potencial psicológico. “É óbvio que a genética ajuda muito, aliada ao fato de nascerem em região montanhosa. Isso pode favorecer, mas o grande diferencial é a dedicação, é o acreditar no que estão fazendo. Eles sabem que aquilo é o seu meio de sobrevivência, por isso são muito simples, humildes e batalhadores. Quando os brasileiros treinam com eles nesse intercâmbio que promovo, noto um aumento de concentração e dedicação, quando começam a acreditar que podem correr como um africano também”, diz.
De fato, quem já conversou com um corredor queniano, sabe. Humildes, resignados, tímidos e quietos. É notável como deixaram tudo para trás em busca de uma vida menos miserável e fizeram mais sacrifícios do que quase qualquer outro corredor.

Karina Bernardino
05/01/2011

Fonte: sportlife.terra.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário