quinta-feira, 30 de junho de 2011

Floresta amazônica pode virar savana, diz estudo do Banco Mundial



Um estudo patrocinado pelo Banco Mundial indica que se a temperatura do planeta e o ritmo do desmatamento da Amazônia aumentar, a região pode sofrer um processo de “savanização” da floresta.
O relatório, divulgado pela revista BioScience, analisa o chamado “Amazon Dieback”, processo em que a bacia amazônica perde a densidade de sua biomassa como consequência das mudanças climáticas. Com menor densidade de biomassa, a floresta se torna mais suscetível a queimadas.
Segundo o relatório, existe alto risco de que esse processo ocorra no sul e sudeste da Amazônia, região bastante afetada pelo desmatamento conhecida como Arco do Fogo. No sul da Amazônia, por exemplo, os cenários indicam que a possibilidade da região se tornar savana é de 30%, no cenário otimista, e 87%¨, no cenário pessimista.
Segundo Carlos Nobre, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial entrevistado pela revista BioScience, é possível reverter o processo de savanização com medidas de prevenção.
“Primeiro, é preciso evitar desmatamento no oeste e nordeste da Amazônia com o máximo de áreas protegidas possível. Isso porque nessas áreas a floresta é resiliente. Depois, é preciso reduzir o desmatamento no sul e sudeste, com um esforço especial para salvar espécies”.


SERA QUE SÓ A PREVENÇÃO É SUFICIENTE PARA EVITAR ESTA TRAGÉDIA?

quarta-feira, 29 de junho de 2011

SOS Fauna Marinha

   O alerta chega por meio de notícia divulgada pela BBC de Londres. Um novo estudo indica que os ecossistemas marinhos enfrentam perigos ainda maiores do que os estimados até agora pelos cientistas e que correm o risco de entrar em uma fase de extinção de espécies sem precedentes na história da humanidade .
   O levantamento foi feito realizado por especialistas que integram o Programa Internacional sobre o Estado dos Oceanos (IPSO), uma entidade formada por cientistas e outros especialistas no assunto.
   Eles concluíram que fatores como a pesca excessiva, a poluição e as mudanças climáticas estão agindo em conjunto de uma forma que não havia sido antecipada.
   Entre as mudanças que estão ocorrendo antes do esperado estão o derretimento da camada de gelo no Ártico, na Groenlândia e na Antártida, o aumento do nível dos oceanos e liberação de metano no leito do mar.
   O estudo observou também que existem efeitos em cadeia provocados pela ação de diferentes poluentes. A pesquisa observou, por exemplo, que alguns poluentes permanecem nos oceanos por estarem presos a pequenas partículas de plástico que foram parar no leito do oceano.
   Com isso, há um aumento também dos poluentes que são consumidos por peixes que vivem no fundo do mar.
   Partículas de plástico são responsáveis também por transportar algas de parte a parte, contribuindo para a proliferação de algas tóxicas, o que também é provocado pelo influxo para os oceanos de nutrientes e poluentes provenientes de áreas agrícolas.
   O estudo descreveu ainda como a acidificação do oceano, o aquecimento global e a poluição estando agindo de forma conjunta para aumentar as ameaças aos recifes de corais, tanto que 75% dos corais mundiais correm o risco de sofrer um severo declínio.
A vida na Terra já enfrentou cinco ``ciclos de extinção em massa`` causados por eventos como o impacto de asteróides e muitos cientistas que o impacto de diferentes ações exercidas pelo homem poderá contribuir para um sexto ciclo.
   As conclusões do relatório serão apresentadas na sede da ONU, em Nova York, nesta semana, durante um encontro de representantes governamentais sobre reformas na maneira de gerenciar os oceanos. 

Fonte: Jornal da Conapub, Turismo, Ecologia e Sustentabilidade [newsletter@jornaldoecoturismo.com.br]

terça-feira, 21 de junho de 2011

Treino Regenerativo x Remoção do ácido lático


O treinamento regenerativo, considerado um repouso ativo, consiste em uma atividade de baixa intensidade, como uma caminhada ou corrida leve, que ajuda na recuperação do corpo do atleta após um desempenho de exigência alta.

Incluir o trabalho regenerativo na sua planilha de treinamento pode trazer uma série de vantagens:

Após um exercício físico muito intenso, treino ou competição, surgem as microlesões, que podem ser curadas com mais eficácia caso o atleta opte por treinos regenerativos. Porém caso o atleta exagere na intensidade, o mesmo pode vir a sofrer lesões mais graves ou até atingir o overtraining.
Além de ajudar na reestruturação e firmação do organismo, o treino regenerativo mantém um ritmo de treinamento, como acrescenta Evêncio. “Se optar pelo trabalho regenerativo, em vez da pausa total, o corredor mantém um certo nível de treino e deixa seu organismo mais preparado para os próximos treinamentos”, afirma o treinador, que comenta sobre o ácido láctico.

“Há um mito que sugere que o treinamento regenerativo pode ajudar a remover o ácido láctico, mas isso é lenda, já que o corpo consegue se livrar dessas substâncias em um período de duas horas após o exercício”, completa. (Patrícia A. de Carvalho, São Paulo, SP)

O melhor remédio para combater o excesso de ácido lático que provoca dores musculares é mais exercício, só que em doses menores, segundo o médico especialista em esportes Luiz Eduardo Martins Castro, da Escola Paulista de Medicina. Quando uma pessoa realiza esforço físico, seu organismo "queima" glicose, que está armazenada no corpo, principalmente com o oxigênio proveniente da respiração. Essa reação produz energia. Se o exercício estiver além do que o atleta está condicionado a fazer, a queima da glicose através do oxigênio não será suficiente e o organismo queimará a glicose sozinha. Essa reação solitária produz o ácido lático, que é um dos causadores das dores musculares. O melhor procedimento para evitar sua formação é, depois de fazer um exercício, realizar por alguns minutos outro exercício (correr, pedalar, nadar) em menor intensidade. Esse procedimento ajuda a desintoxicar a musculatura porque uma parte do ácido lático, que também pode servir como fonte de energia, passa a ser queimada. Outro procedimento é massagear o local dolorido, aumentando a irrigação sanguínea da região e facilitando a eliminação do ácido. "Mas não se sabe realmente se o ácido lático é o único responsável pelas dores que surgem após os exercícios. Elas podem também ser causadas por microlesões no músculo", lembra Castro.
 
Novo estudo sobre treino regenerativo
Um estudo publicado pelo russo M. Litovchenko, no caderno da Real Federação Espanhola de Atletismo, mostrou que o volume de treino não interfere na recuperação rápida ou lenta do organismo, e o que altera a regeneração é a intensidade e a carga da atividade. “A intensidade leve usada durante o percurso de 8 km a 16 km, por exemplo, chega a recuperar o organismo do atleta em três a quatro horas. O importante é saber que quem comanda o treino regenerativo é o ritmo lento. O trabalho rápido deve ser feito em um dia e, nos dois seguintes, o atleta deve entrar com a intensidade leve no percurso para recuperar toda a energia que perdeu”, explicou o atleta ultra-maratonista e treinador Valmir Nunes, 44.

Recuperação de acordo com o estudo de M. Litovchenko
- Treinamento de 8 km a 16 km com intensidade leve ou até 75% da freqüência máxima: recuperação em 3 a 5 horas após corrida.
- Treinamento de 4 km a 10 km com intensidade forte ou acima de 85% da freqüência máxima: recuperação depois de 54 horas.
- Treinamento de 16 km a 25 km com intensidade moderada ou até 85% da freqüência máxima: recuperação de 48 horas a 54 horas. 

sexta-feira, 10 de junho de 2011

10Km Brasil Longe das Drogas Correndo


Atenção! Já estão abertas as inscrições para a corrida 10 Km Brasil Longe das Drogas Correndo, a ser realizada na Esplanada no dia 26/06.
As inscrições, serão realizadas no período de 30 de maio a 24 de junho de 2011, limitadas a 2 mil participantes, poderão ser feitas no Quiosque da Saúde do Parque da Cidade ou por meio do site ChipTiming
No ato da inscrição será cobrada taxa no valor de R$ 30,00 (trinta reais), que dará ao atleta o direito de participação e de receber kit composto por camiseta, número e medalha, além do kit alimentação e hidratação, ao final da prova. Quem trouxer tenis seminovo, em bom estado de conservação, terá desconto de 50% (cinquenta por cento) do valor (válido apenas para as inscrições efetuadas no Parque da Cidade).

Mais informações: 10km Brasil

quinta-feira, 9 de junho de 2011

21ª Corrida do Fogo será atração em Brasília.



A cidade de Brasília, um dos principais redutos de corredores de rua do país, sediará no dia 3 de julho de 2011 a 21ª edição da Corrida do Fogo, tradicional evento que ano passado reuniu cerca de 2 mil atletas. A prova faz parte das comemorações do aniversário do Corpo de Bombeiros e promete superar suas marcas dos anos anteriores e manter a tradição de mais de duas décadas, consagrando-se pela sua organização, beleza do percurso e charme. 
O desafio está lançado! A arena do evento estará montada na Esplanada dos Ministérios em frente ao Museu da República e receberá os atletas a partir das 16 horas para entrega do chip e realização do check-in. A largada será as 18:30 horas
Segundo a organização, são esperados nesta edição 2,5 mil atletas que percorrerão os 10Km do percurso. E não são somente os corredores que se divertirão, já que o público contará com várias atrações como música e exibições de pára-quedismo.
Haverá premiações em dinheiro e troféus para os primeiros colocados da categoria geral, cadeirante e andante. Nas faixas etárias os três primeiros colocados receberão medalhas e prêmios em dinheiro.

segunda-feira, 6 de junho de 2011

urdva mukha svanasana (Postura do cão com o rosto para cima)


A postura lembra um cão espreguiçando-se daí o seu nome. Este asana fortalece a coluna e melhora as dores nas costas.

É recomendado para pessoas que possuem as costas rígidas. Melhora a circulação do sangue na região pélvica tornando-a mais saudável.
A partir da abertura do peito os pulmões ganham elasticidade.
Só deve ser feito se você não tem nenhuma contra indicação médica.

Referências no livro - Luz da Yoga -B. k. S. Iyengar - Editora Pensamento

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Milho aos Pombos


Estudos mostram que atividades moderadas como caminhar, correr fazem com que as pessoas tenham menos riscos de terem problemas mentais.
A prática de exercícios físicos regularmente beneficia nossas funções cognitivas. O exercício, segundo McAuley & Rudolph contribui para a integridade cerebral e vascular, aumenta o transporte de oxigênio para o cérebro, diminui a pressão arterial, diminui os níveis de colesterol e triglicérides melhorando nossa qualidade de saúde.
Um fator positivo para que não tenhamos problemas mentais na velhice é desde  a infância a prática habitual da leitura, palavras cruzadas, jogos de memorização,  xadrez, participar socialmente e esportivamente de grupos e de equipes, de turmas, de festas, de atividades como ir ao cinema ao teatro.
Testes em individuos  acima de 60 anos mostraram  melhora na capacidade aeróbia depois de alguns meses de caminhadas com baixa intensidade, melhorando suas funções cognitivas e fisiológicas.
A atividade física e mental em qualquer idade provoca uma melhora considerável em quadros depressivos. 
Observo durante minhas corridas e trotes, algumas praças lotadas de idosos, jogando cartas, lendo jornais,etc. Isto é muito bom, mas seria conveniente que estes idosos também fizessem caminhadas, ou outras atividades físicas de baixa intensidade. Costumo  dizer que estes idosos sentados nas praças estão esperando o bilhete da viagem sem volta, jogando milho aos pombos "

Velhice não é isto, velhice é ter atividade, ter participação, conduzir, não ser conduzido.
Você que já está na faixa dos vinte e oito anos a trinta anos deve saber que nesta  fase da vida  você já esta começando a perder por ano cerca de 1% de sua capacidade vital.
Portanto cuide-se para não vir a "jogar milho aos pombos".  Exercite sua mente, exercite seu físico, não se cerque de pessoas que vivem tristes, que vivem se lamuriando, que só falam de doenças e de remédios.
Seja alegre, positivo, saudável, ser velho é uma condição particular de cada um, não seja um novo velho e nem um velho novo.